Crítico do site Whiplash acha que Vilipêndio não faz música

VILIPÊNDIO
15 Abismos
(Vilipêndio Records)

Tem banda que adota um estilo mais extremo, barulhento, e acha que as coisas são simples. É só descer o cacete e pronto, "fizemos música". Infelizmente, não é tão fácil assim, e quem quer investir numa onda dessas, precisa ter talento e saber fazer, mesmo sendo um som podreira. O Vilipêndio nitidamente não captou essa idéia no seu hardcore / punk.

Começando pelo timbre da guitarra de Marcio Bukowski. Sinceramente já ouvi muita coisa ruim na vida, e nunca encontrei algo ao nível tenebroso dessas tonalidades. Horríveis, péssimas, ainda mais com a guitarra colocada no talo, não havendo modos de excluí-la (mentalmente, mecanicamente, seja como for). Ou seja, aquele som medonho te persegue durante todo o álbum.

O nome do disco sim foi bem escolhido: "15 Abismos". É bem por aí mesmo. Durante as composições, e depois de superar a última delas, "Oração Para Os Invejosos", você cai e rola exatamente por quinze despenhadeiros, chegando à ruína total e necessitando urgente de uma purificação aos ouvidos.

Nada se encontra. Vocais trombam em guitarras, a bateria se perde, o baixo desanda, em síntese, uma zona desenfreada. Pra completar, as letras tentam dizer algo e até conseguem algumas raras vezes, todavia, as palavras geralmente caem num vazio completo, mais profundo que os abismos que inspiraram os integrantes do grupo.

Ou esses caras não sabem fazer música ou estão num patamar tão elevado que não consigo compreendê-los. De fato pode ser a segunda opção, mas caso seja, vou optar em persistir na minha santa ignorância.

Voltar