Veja a resenha publicada no excelente site Pop com H
Assinada por Rubens Herbst

15 ABISMOS (Independente)

Lançado no final do ano passado e devidamente comentado pelo Pop.com H, "15 Abismos" marca a estréia fonográfica da banda carioca Vilipêndio. Abastecido pelo peso do trash metal e registrado com uma crueza notável, o disco também prima por letras virulentas (em português) que enfocam vários aspectos da condição humana. Mas, espere, este espaço não é reservado à literatura? E é, por isso que "15 Abismos", o livro, está aqui.

Inspirado no conteúdo do álbum de sua banda, o guitarrista e vocalista Ricardo Caulfield escreveu um romance dividido em 15 capítulos, todos batizados com os respectivos títulos das faixas e baseados nos temas e emoções que elas abordam. Em agosto deste ano, o texto foi parar na home page da banda (www.vilipendio.hpg.com.br) e, conseqüentemente, impresso em papel, resultando num livro de bolso de 110 páginas, aproximadamente.

O pessimismo, a miséria emocional e o clima de "no future" transmitidos pelas letras de Caulfield se refletem em sua estréia como escritor. O livro está repleto de personagens amargurados que procuram no sexo, nas drogas e na violência saídas para suas existências vazias. Pais omissos, adolescentes problemáticos, amantes insatisfeitos, policiais corruptos, ciúmes, traição, ganância, medos... Parece mesmo que o mundo caiu num imenso abismo sem volta.

Caulfield ainda arrisca algum humor, ao incluir a si próprio e sua banda como figurantes da trama. Assim, aproveita para cutucar a sociedade e a mídia que insistem em associar o rock pesado a suicídios e coisas do tipo. Mas o placar pende mesmo para o lado negro.

No entanto, o meio que o autor utiliza para chegar a seu objetivo - a palavra escrita - compromete bastante a obra. Texto excessivamente rebuscado para um livro que se pretende pop - e as várias citações não escondem isso -, explicações desnecessárias e diálogos constrangedores saltam aos olhos de início. Cada capítulo tenta funcionar de forma independente, mas são amarrados por duas tramas paralelas - uma policial, outra amorosa - que não chegam a empolgar, ainda mais porque Caulfield insiste em fazer reflexões sobre temas como o preconceito e a indústria cultural entre uma ação e outra.

Há, porém, que se levar em conta que "15 Abismos" parece mais uma experiência, um estudo para algo maior, do que um livro planejado e repensado. Sob esse aspecto, tem seu valor, até pelo aspecto inovador que apresenta (a ligação intrínseca entre disco e romance). E, para completar, não deixa de ser uma forma esperta de divulgar o Vilipêndio, este sim, de peso infalível.

Voltar